.

.

.

O criador é carente.


Existe um vazio tão grande aqui.
Por que existo senão para ocupar o vazio?
Mas não justifica minha existência.

Eu preciso de alguma coisa,
que exista por minha causa.

É excitante comtemplar uma obra
e saber que ela só é possível por mim.
Preciso criar algo, que seja minha imagem.

De que serve a importância do meu ser no vazio?
Quero dar a forma para algo, modelar uma ideia.
Tornar real aos sentidos uma imaginação.

Preciso projetar minha essência no ambiente.
Quero paralisar a minha necessidade no tempo.
Ser perfeito em minha obra, e dela captar satisfação.

Talvez o que eu criar seja ilusão,
difícil de compreender, pouco aceitável.
Irrelevante para a evolução
e não me satisfaça tanto quanto idealizo.
Mas não será mais vazio,
terei o que observar e me sentirei especial.
Definitivamente, jamais sozinho.

"Quanto maior a criação, maior a solidão do criador”.

Escrito: 29/10/2012 Por: Fernando do Amaral - Publicado: 01/05/2014 Google+
Imagem: Ana Luiza - Dia do desenho

Leia também: