.

.

.

Menos um.


Ela ficou enfurecida, e lançou palavras ameaçadoras.
Com o dedo em riste, não teve piedade ao julgar.
E então, puxou com fúria a bolsa da mesa.
A taça, veio ao chão em câmera lenta.
O vinho derramado, não lembravam dias melhores.
O reflexo dos cacos,
mostravam partes de um cômodo sem vida.
E uma mulher vestida de branco,
com um rosto triste.

Uma porta fechou, e tudo ficou escuro.
Um filete de luz,
passou pelas frestas da pesada porta.
Tanto silêncio,
quebrado pelo insistente som do vento.

Caminhou lentamente para sair da letargia.
Desviou dos cacos, pegou uma garrafa envelhecida.
Não lavou o copo como de costume,
encheu até onde podia.
Voltou para o lugar de antes,
e por instante, esqueceu-se dos cacos.
Pisou e entrou na fria carne,
jorrou sangue quente sobre o vinho ressecado.
Nenhuma exclamação de dor fez,
nem uma expressão formava se mais naquele rosto.

Sentado ali, contemplava um copo com um líquido, que prometera não ingerir novamente.
Ergueu o copo como se admirasse uma pedra preciosa, e então o lançou contra a porta.
Fez barulho, fez estilhaço e o forte cheiro de cachaça impregnou a cena.

Levantou decidido, foi até as garrafas,
pegou uma, pegou duas e pegou três.
Abriu à primeira, e a virou em cinco goles.
Colocou um disco com letras melancólicas
e melodias que enaltecem a dor.

Depois de uma semana a policia foi acionada,
os vizinhos reclamavam de um cheiro ruim.
Horas depois o IML apareceu,
embalaram como um presente e levaram.
Tinha um papel com péssima caligrafia,
uma pessoa pegou entre o vômito e leu:

Sou o ser humano, que não pode vencer sozinho.
Que não foi compreendido e se perdeu.
Todos cometem erros,
mas é preciso um coração perverso,
pra fazer alguém gostar e depois
abandonar ao acaso por um desentendimento.
Não duvide da dor do coração.
Essa dor causada ao outro,
por orgulho e falta de compaixão
pode destruir vidas.

O perdão não é algo que se pede, é algo que dá.
O amor que não conhece o perdão,
não é amor, mas sim egoísmo.
E mesmo que façam poesias, declarações e músicas, ninguém jamais amou nesse mundo.
Porque o amor só pode existir, onde não existimos.


A pessoa riu do que leu.
Mandou vir à limpeza e jogou o escrito no lixo.
Tudo o que importa, é que um viciado morreu.
"Menos um". Pensou...

Escrito: 05/03/2013 Por: Fernando do Amaral - Publicado: 02/07/2014 Google+

Leia também: